top of page

Por que a pimenta arde? Entenda o papel da Capsaicina

Atualizado: 17 de abr. de 2022

Capsaicina é um composto químico responsável pela sensação de ardência que a pimenta dá. Ela pode se ligar a um receptor presente nas terminações nervosas da boca e após uma série de mecanismos, provocar esta sensação. Vamos descobrir como funciona?

Você já pensou em produzir conteúdo para Internet? Escrevemos um E-book 100% gratuito com diversas ferramentas perfeitas para isso. Aproveite!


Basta clicar em qualquer tópico e ir para a parte que você deseja:


Por que a pimenta arde? O que causa esta sensação?


Pimenta são frutos reconhecidos normalmente pela sua sensação picante. Essa picância é provocada por compostos químicos denominados capsaicinóides. Os capsaicinóides são exclusivos do gênero Capsicum.


O que é capsaicina?


A capsaicina é um tipo de capsaicinóide presente em maior quantidade na placenta e nas sementes e, em menor grau, no pericarpo do fruto. Quatorze tipos de capsaicinóides já foram identificados. Os de maior ocorrência são a capsaicina (em maior quantidade) e a dihidrocapsaicina.


onde a capsaicina está presente


Como a capsaicina age no nosso corpo?


A capsaicina pode se ligar ao receptor (estrutura nas células na qual moléculas se ligam para induzir funções celulares) TRPB1 presente nas terminações nervosas da boca.


Essa ligação aumenta o cálcio intracelular (dentro da célula), provocando a liberação de neuropeptídeos que são neurotransmissores (mensageiros químicos) como a substância P.


A Substância P “envia um sinal ao cérebro” desencadeando dor e outros processos


O contato entre a capsaicina e os neurônios sensoriais produz dor, inflamação e uma sensação de calor localizado.


Curiosidade: capsaicina e aves


As aves parecem não ter problemas com a ardência das pimentas.


Arara - Capsaicina e aves
Fonte: Pixabay

Anna Pidgeon, da Universidade Wisconsin-Madison, acredita que isso pode estar associado com as poucas papilas gustativas (estruturas com receptores responsáveis pelo reconhecimento dos sabores) das aves.


Por exemplo, a galinha possui cerca de 21 papilas e papagaios 350 em contraste com o ser humano que possui 9.000 e os colher 17.000.


Como abordar a capsaicina na sala de aula


Essa curiosidade sobre a pimenta e como nosso organismo reage com a capsaicina nos permite fazer um debate com os alunos, para criarem hipóteses sobre o motivo da ardência antes do professor explicar o que realmente acontece.


Uma curiosidade que pode ser dita para cativar os alunos é: há medicamentos que são feitos à base de capsaicina. O mais comum é o Moment, que é um analgésico tópico para alguns tipos específicos de dores que acompanham a herpes zoster, diabetes, osteoartrite ou artrite reumatóide.


Baseado na BNCC (Base Nacional Comum Curricular) abaixo estão as habilidades que podem ser trabalhadas nesse tema, para ajudar na preparação da aula.


Ensino fundamental:


(EF02CI04) Descrever características de plantas e animais (tamanho, forma, cor, fase da vida, local onde se desenvolvem etc.) que fazem parte de seu cotidiano e relacioná-las ao ambiente em que eles vivem.


(EF02CI06) Identificar as principais partes de uma planta (raiz, caule, folhas, flores e frutos) e a função desempenhada por cada uma delas, e analisar as relações entre as plantas, o ambiente e os demais seres vivos.


Ensino médio:


(EM13CNT307) Analisar as propriedades dos materiais para avaliar a adequação de seu uso em diferentes aplicações (industriais, cotidianas, arquitetônicas ou tecnológicas) e/ ou propor soluções seguras e sustentáveis considerando seu contexto local e cotidiano.



Gostou de conhecer um pouco mais de biologia? Para outras informações interessantes como essa consulte nosso post do Instagram sobre o assunto


Redigido por: Gabriela Maia e Júlia Quintaneiro

Revisado por: Camila Neves



Referências bibliográficas:


ALPIOVEZZA, A. R; et al. Pimentas do gênero Capsicum: ações farmacológicas e propriedades terapêuticas. Revista de Fitoterapia 2015. Disponível em <https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3463/2238>. Acessado em 19/08/2020.


BARDUZZI, J. F. Extração e Quantificação da Capsaicina em Pimenta Dedo-de-moça. Fundação Educacional do Município de Assis - FEMA -- Assis, 2011. Disponível em <https://cepein.femanet.com.br/BDigital/arqTccs/0811290529.pdf>. Acessado em 19/08/2020.


Curiosities: Why can birds eat hot peppers?. University of Winsconsin-Madison. 2004. Disponível em <https://news.wisc.edu/curiosities-why-can-birds-eat-hot-peppers/>. Acessado em 19/08/2020.


DOMENICO, C. et al. Caracterização agronômica e pungência em pimenta de cheiro. Hortic. Bras., Vitoria da Conquista , v. 30, n. 3, p. 466-472, set. 2012 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-05362012000300018&lng=pt&nrm=iso>. Acessos em 19 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-05362012000300018.


Grégio, A. M. T; et al. Capsaicina e sua aplicação em odontologia. Arq. odontol; 44(1): 45-48, 2008. Disponível em <https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3463/2238>. Acessado em 19/08/2020.


575 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page