top of page

Como foi a extinção dos dinossauros?

Atualizado: 19 de jun. de 2022

Os dinossauros reinaram em nosso mundo por milhões de anos. Tudo mudou de repente quando, há 66 milhões de anos atrás, um meteoro ou cometa atingiu o planeta e mergulhou o mundo em um caos que varreu da face da Terra uma grande quantidade de espécies, colocando um ponto final no reinado dos dinossauros.

Quer ir para alguma parte específica deste artigo? Basta clicar em qualquer um dos tópicos:




Você já pensou em produzir conteúdo para Internet? Escrevemos um E-book 100% gratuito com diversas ferramentas perfeitas para isso. Aproveite!




Representação artística do impacto do meteoro ou asteróide que causou a morte dos dinossauros (Pixabay).
Representação artística do impacto do meteoro ou asteróide que causou a morte dos dinossauros (Pixabay).


O início: surgimento dos dinossauros?

Há 252 milhões de anos atrás, entre os períodos geológicos chamados de Permiano e Triássico, ocorreu a maior extinção em massa da história do planeta. Mega vulcões, onde hoje é a Sibéria, entraram em erupção, expelindo lava em um fluxo contínuo por milhares de anos – alguns geólogos acham que podem ser até mesmo milhões de anos.

Junto com a lava, eram liberados gases tóxicos, poeira e muito calor, o que passou a mudar o clima do planeta. Muitas espécies de plantas morreram, e com elas muitas outras espécies de seres que dependiam delas como alimento.

As águas dos oceanos ficaram ácidas devido ao gás carbônico (CO2) que saia dos vulcões, o que também foi mortal para grande parte da vida aquática. O resultado: uma mega extinção, onde cerca de 90% de todas as espécies que existiam simplesmente foram varridas da face da Terra.

Quando os vulcões se estabilizaram, a vida na Terra passou a se restabelecer e os sobreviventes do desastre se encontraram em um planeta quase abandonado, o que abriu a possibilidade para que novas espécies se desenvolvessem.

Dois milhões de anos depois do desastre, alguns pequenos répteis, chamados de arcossauros, começaram a andar em duas patas. Esses arcossauros foram evoluindo até dar origem aos primeiros dinossauros, cerca de 20 milhões de anos depois da extinção.

Diferente do que as pessoas imaginam ao falar em dinossauros, esses primeiros dinossauros eram pequenos répteis - do tamanho de um cachorro.


Todo esse processo de extinção e evolução é um exemplo de como a geologia da Terra influencia fortemente no curso da vida no planeta.


A diferença entre os arcossauros e os dinossauros é uma linha tênue, traçada por uma convenção científica que passou a denominar as espécies a partir de certas novidades evolutivas, por exemplo uma junta no encontro do fêmur com a pélvis, como dinossauros.



Os dinossauros dominam o mundo

Esses pequenos dinossauros espalharam-se pela Pangeia, o supercontinente que existia na época, por milhões de anos, lentamente evoluindo e se diversificando em novas espécies. A partir do Período Jurássico, que começou 200 milhões de anos atrás, os dinossauros começaram realmente a se tornar os reis da Terra.


Esses animais evoluíram para uma vasta gama de espécies, que dominaram a fauna terrestre por milhões de anos. Foram 150 milhões de anos de evolução, para ser mais exato, sendo dois terços desse tempo como a espécie dominante do planeta.


Seu reinado durou até o final do Período Cretáceo ( que durou entre 145 e 66 milhões de anos atrás), o último da chamada Era Mesozóica – que começou com a grande extinção entre os períodos Permiano e Triássico, 252 milhões de anos atrás, descrita no começo deste texto.



Modelo de esqueleto de um dinossauro (Pixabay).
Modelo de esqueleto de um dinossauro (Pixabay).

Fizemos para você um kit de slides gratuito que deixarão as suas aulas ainda mais interessantes. Aproveite!


Como os dinossauros foram extintos?


Há 66 milhões de anos os dinossauros foram extintos de uma maneira semelhante à que propiciou que eles surgissem: com um evento de extinção em massa. Dessa vez, porém, as coisas aconteceram de uma maneira diferente daquela de 150 milhões de anos antes.


Ao contrário dos supervulcões que gradativamente foram mudando o clima terrestre, essa nova extinção aconteceu de maneira muito mais brusca. Um enorme asteroide ou cometa, de cerca de 10 quilômetros de diâmetro, se chocou com a Terra onde hoje é a península de Yucatán, no México, mergulhando o planeta no caos.


Os dinossauros que estavam perto do impacto foram instantaneamente dizimados, porém as consequências foram globais. Dentre elas ocorreram:


  • Terremotos de 10 graus na Escala Richter (o que devastou o Japão em 2011 tinha 9 graus, para efeito de comparação);


  • Os terremotos provocaram tsunamis e erupções vulcânicas por todo o planeta.


  • Os incêndios causados pelo choque conjuntamente com os vulcões cobriram a Terra de fumaça, bloqueando a luz solar e mergulhando o mundo em uma escuridão.


Isto resultou em mudanças climáticas por todo o planeta, a exemplo de 150 milhões de anos antes, essas resultaram na extinção dos dinossauros.



A morte dos dinossauros e a Era dos mamíferos

Com a extinção em massa causada pelo impacto do meteoro ou cometa, a vida na Terra lentamente começou a se recuperar e novas espécies passaram a surgir, evoluir e dominar o planeta.


Depois de milhões de anos, a exemplo do que aconteceu na Era Mesozóica, o planeta era agora dominado por um outro tipo de animal: agora era a vez dos mamíferos. A nova era, chamada de Cenozóica, é a que dura até hoje.



Reconstituição de esqueleto de um mamute, um dos grandes mamíferos que surgiram após a extinção dos dinossauros (Pixabay).
Reconstituição de esqueleto de um mamute, um dos grandes mamíferos que surgiram após a extinção dos dinossauros (Pixabay).

Os dinossauros na sala de aula

Dinossauros sempre prendem a atenção dos alunos. O motivo da extinção dos dinossauros é um ótimo exemplo para mostrar o impacto do cosmos na vida da terra. E as reações em cadeia sobre algum impacto que ocorreu em algum lugar.


Ao abordar esse assunto, pode-se mostrar aos alunos que já houveram várias extinções em massa ao longo da história da vida e de como a evolução não linear e a seleção natural contribuíram para que a vida continuasse.


Baseado na BNCC (Base Nacional Comum Curricular) abaixo estão as habilidades que podem ser trabalhadas nesse tema, para ajudar na preparação da aula.


Ensino fundamental:


(EF04CI04) Analisar e construir cadeias alimentares simples, reconhecendo a posição ocupada pelos seres vivos nessas cadeias e o papel do Sol como fonte primária de energia na produção de alimentos.


(EF07CI08) Avaliar como os impactos provocados por catástrofes naturais ou mudanças nos componentes físicos, biológicos ou sociais de um ecossistema afetam suas populações, podendo ameaçar ou provocar a extinção de espécies, alteração de hábitos, migração etc.


Ensino médio:


(EM13CNT202) Analisar as diversas formas de manifestação da vida em seus diferentes níveis de organização, bem como as condições ambientais favoráveis e os fatores limitantes a elas, com ou sem o uso de dispositivos e aplicativos digitais (como softwares de simulação e de realidade virtual, entre outros).


(EM13CNT203) Avaliar e prever efeitos de intervenções nos ecossistemas, e seus impactos nos seres vivos e no corpo humano, com base nos mecanismos de manutenção da vida, nos ciclos da matéria e nas transformações e transferências de energia, utilizando representações e simulações sobre tais fatores, com ou sem o uso de dispositivos e aplicativos digitais (como softwares de simulação e de realidade virtual, entre outros).


(EM13CNT208) Aplicar os princípios da evolução biológica para analisar a história humana, considerando sua origem, diversificação, dispersão pelo planeta e diferentes formas de interação com a natureza, valorizando e respeitando a diversidade étnica e cultural humana.


(EM13CNT301) Construir questões, elaborar hipóteses, previsões e estimativas, empregar instrumentos de medição e representar e interpretar modelos explicativos, dados e/ou resultados experimentais para construir, avaliar e justificar conclusões no enfrentamento de situações-problema sob uma perspectiva científica.


Quer saber mais sobre temas de biologia? Confira também nosso Instagram.



Escrito por: Henrique Castro

Revisado por: Nicolas Nathan dos Santos


Referência:


BRUSATTE, S. Ascensão e Queda dos Dinossauros: Uma nova história de um novo mundo perdido.1ª ed - Rio de Janeiro: Record, 2019.




1.524 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

댓글


bottom of page